sexta-feira, 7 de junho de 2013

Seca e tecnologia

Indícios meteorológicos de 2012/2013 indicam que o nordeste brasileiro irá enfrentar uma das maiores secas que já viu. A estação de chuvas de 2013 já passou, e o cenário já é ruim: Plantações perdidas, gado morrendo de sede e fome por falta de pasto, e aumento de índice de suicídios (informação que não é repassada pelo governo estadual, mas é verídica). Agora que o segundo semestre se aproxima, o cenário só tende a piorar.
O mais ridículo nessa história toda é que o problema é mais antigo que o Brasil. Ainda na época de colônia já havia a necessidade de obras contra a seca. Um exemplo é o açude do Cedro, ordenado por Dom Pedro II, e construído entre 1890 e 1906. Então nos vêm uma questão: Será que com mais de 150 anos de luta contra a seca, ela continua ganhando?

Indústria da seca

O que uma grande maioria talvez não saiba é que, para políticos corruptos, quando uma região sofre calamidades, isso gera ajuda financeira que beneficia esses grupos. Em calamidades, recursos são liberados mais rapidamente, os controles destes são mais frouxos, e há muito mais chance de você "ganhar seu quinhão" no bolo. Obviamente esse 'todo mundo' não inclui o sertanejo que sofre da seca.
A ajuda que chega também não serve de muito. São carros-pipa carregados de água para subsistência da população, mas que não dá para irrigar nada, nem dá para manter animais de criação. Ou são sementes subsidiadas para plantio, mas que não irão render nada, já que no atual cenário não adianta plantar: Os indícios mostram que sem um plano a longo prazo de irrigação, tudo que plantar morrerá.

Achando água em Marte no Sertão

A seca é o tipo de problema que tem alguém que ganha com ele. Contra esses problemas a iniciativa pública é ineficiente. Mas tecnologia e educação aplicadas diretamente pela população pode mudar o cenário. Tecnologias livres podem encontrar o seu papel na luta contra a seca. E não estou falando em computadores com linux em telecentros. Isso é idiotice e não adianta de nada! Estou falando em utilizar várias características do próprio sertão para lutar contra a seca.
Um exemplo é o Sol. O sertão tem sol o ano todo, e sua trajetória no céu é bastante estável, dada a proximidade com o equador. Significa que energia não deveria ser problema. E não estou só falando em paineis solares fotovoltáticos bombeando água de poços (que são uma boa ideia), mas em utilizar a luz solar para destilar água salobra desses poços (um problema muito comum na região).
Enfim, que tecnologias devem ser desenvolvidas para que tenhamos água no sertão? Estamos precisando mais de água aqui do que em Marte, por enquanto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você é responsável pelo que posta. Com um grande poder vêm grandes responsabilidades. Mesmo assim qualquer material ofensivo, ilegal ou comercial será apagado.