segunda-feira, 22 de abril de 2013

A casa robótica e a casa do futuro

Vira e mexe aparecem reportagens alegando que tal feira de arquitetura apresentará a casa dos Jetsons do futuro. Vou lá ler a reportagem é é uma decepção: Um monte de "soluções" para problemas tão mínimos, que provavelmente serão usados assim que comprados, e quando for para mostrar para os amigos. Senão vejamos:

  • Ligar o chuveiro, banheira, luzes remotamente: Pra que? Ligar o chuveiro é idiotice, em tempos de cuidado com a água. Sobre banheira, conheço pessoas que tem em casa e usaram 2 vezes em 5 anos. E luzes... bom, pra isso já existem timers caso necessário. 
  • Controlar aparelhos domésticos: Enquanto a industria não se alinhar para a intercompatibilidade, não vai ser a casa que vai solucionar essa questão. Vai acabar virando só mais uma forma de controle (ao lado das dezenas de controles remoto que já temos). Felizmente tecnologias como DLNa e CEC do HDMI já estão ajudando a diminuir os controles. 
  • Ver remotamente na câmera da porta que um amigo seu chegou, abrir a porta pra ele, e ciceroneá-lo a distância. A-han... você vai usar isso umas... duas vezes na vida.
  • Câmeras de segurança: É. Esse eu acho interessante. Ver remotamente o que ocorre em casa é legal. 
Putz! Será que esses arquitetos não conseguem pensar fora da caixa? Todo mundo só pensa as mesmas coisas? Só consigo me lembrar daqueles vídeos sobre carros do futuro, em que eles acertavam um ou dois detalhes, e o resto era só besteira!

A casa do futuro não será eletrônica

O paradigma da eletrônica, das telas de LCD, de informação acabam nublando a visão dos arquitetos sobre o que esperar mesmo de uma casa inteligente. Senão vejamos: O que é mais inteligente? Uma casa que regula a temperatura do ar-condicionado eletronicamente através de sensores e computadores, ou uma casa que não precise de regulagem de temperatura?! Como? Com o uso de materiais inteligentes, formas e medidas pensadas, ou seja, uma casa inteligente de nascimento.

Ora, senão vejamos: Como é que prédios públicos antigamente funcionavam sem ar-condicionado? E sem ventilador? Prédios públicos como prefeituras, escolas, igrejas, locais que recebem várias pessoas existem antes de existirem as tecnologias de climatização. E a solução era somente a arquitetura pensada desde o princípio da execução da obra, utilizando pés-direitos (tetos) altos , canalizando ventilação natural, etc.

Outras soluções podem ser aplicadas inteligentemente:

  • Subsolo frio: O subsolo das construções é, em geral, mais frio do que a temperatura ambiente. Essa característica foi muito usada para ambientes que necessitem de temperatura controlada, como adegas e armazéns, mas poderiam ser usadas também para, por exemplo, o quarto de dormir de verão da casa! Um quarto no subsolo, de teto baixo, usado nos dias de calor. 
  • Reutilização de chuva: Calhas de telhados terminando em reservatórios para água da chuva. Essa água, pura e livre de cloro, poderia ser direcionada diretamente para o chuveiro. Nada de bombas para subir a água: Aproveitar ao máximo a gravidade para guiar os canos.
  • Reutilização de água das pias para descarga: Reservatórios intermediários acumulariam água para descargas. Só essa medida já reduziria pela metade o consumo de água em uma casa, já que com o volume de uma descarga é possível tomar um banho! 
  • Canalização de ventos naturais e uso de tetos altos: Soluções simples que podem aposentar o uso de ar-condicionado e de ventiladores em dias e locais quentes. Cortinas de água podem também ser usadas para purificar o ar contra poeira e para diminuir a temperatura do mesmo. 
  • Uso de aquecedores solares para água do chuveiro, com reservatório térmico para manter água quente mesmo a noite. 
  • Quando necessário, uso de refrigeração piezo-elétrica, que pode refrigerar um ambiente sem o uso de peças moveis (motores, compressores, gás refrigerante, etc.). Isso não é uma tecnologia nova! Só não é usada em grande escala. 
  • Para paredes com incidência solar, usar plantas como a unha de gato para resfriar e isolar o calor. 
  • Usar telhados verdes, que isolam melhor o calor. O teto da casa poderia ser um jardim, uma horta, ou mesmo uma área de lazer verde, usando grama ou outras plantas trepadeiras. 
  • Área de compostagem de lixo orgânico: Soluções para isso precisam ser práticas. Para isso uma das pias da cozinha poderia ser de uso obrigatoriamente orgânico. Um triturador de alimentos ajudaria que o composto orgânico fosse direto para uma área de compostagem, para que de lá pudesse sair Chorume (para irrigação de plantas) e adubo orgânico, para uma horta ou jardim. 
  • E a aplicação de soluções já comerciais verdes: Uso de painéis solares, uso de ilumunação natural combinada com iluminação LED (consome menos do que fluorescente), etc.
Ou seja, um uso racional de energias:
Gravidade - Sol - Ventos - Água - Eletricidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você é responsável pelo que posta. Com um grande poder vêm grandes responsabilidades. Mesmo assim qualquer material ofensivo, ilegal ou comercial será apagado.